Arquivos da etiqueta: Pedro Casteleiro

O ato poético

«O ato poético puro é somente a sombra de uma mente, total na sua essência e livre na sua conceição. Mas tal ato não deixa de ser uma imagem própria, uma criação com sentido autônomo, como acontece com as “sombras … Sigue lendo

Publicado en Aforismos, Alfredo Ferreiro, GSG | Etiquetado , | 1 Comentario

Cadáver exquisito

1. Os carlistas imberbes do nabo placidamente cintilam a menina que tirou as calças nos úberes das vacas. 2. Restar pedras ao ar −que não quer os encontros cafeteiros− reverbera intermitentemente o urso pardo da lua entre os papeis da … Sigue lendo

Publicado en Alfredo Ferreiro, François Davo, Poemas, Tati Mancebo, Textos, Tono Galán | Etiquetado , , , , , , , , | Comentarios desactivados en Cadáver exquisito

A pupila ardente

Acode, ó mar salgado, depois lembrarás a traição da náusea. Ama-me como o vento estilhaça uma pola seca até ser una com a terra. Mas não gostes do gelado da primavera. É o perigo da janela acesa. Desfaz a pele … Sigue lendo

Publicado en Alfredo Ferreiro, François Davo, Poemas, Tati Mancebo | Etiquetado , , , , , , , , | 1 Comentario

Acto de presentación de Esplendor arcano, de Ramiro Torres

Chega a presentación do primeiro libro amparado polo Grupo Surrealista Galego: Esplendor arcano, de Ramiro Torres. Será a sexta-feira, venres, 25 de xaneiro, ás 20:30 horas, en Portas Ártabras (Rúa Sinagoga, 22) da Coruña, local da Asociación de Amigos dos … Sigue lendo

Publicado en Actos, GSG | Etiquetado , , , , , | 4 Comentarios

Esplendor Arcano, de Ramiro Torres

Inícianse as publicacións amparadas polo Grupo Surrealista Galego co poemario Esplendor arcano, de Ramiro Torres. O libro, editado o 31 de decembro de 2012, está dividido en tres partes: Campos de visão, Casa do despertar e Terra da iminência, ten … Sigue lendo

Publicado en Alba Torres Ferreiro, GSG, Pedro Casteleiro, Publicacións, Ramiro Torres | Etiquetado , , , | 14 Comentarios

A nossa Idade, poema de Pedro Casteleiro

A nossa Idade Entro neste jardim sem horizonte, a cavalo dos montes que hão de vir. Ver passar a Lua por seu calendário sem temperos, as tuas mãos a me falar dos dias deste século. “Somos um espelho, os ramos … Sigue lendo

Publicado en Fotografías, Pedro Casteleiro, Poemas | Etiquetado , | 11 Comentarios